Archive for the ‘obama’ Category

h1

hope?!

5 d e novembro d e 2008

eu amo o obama! estou realmente feliz com a vitória dele. Nunca achei que os americanos me surpreenderiam tão positivamente!

mas assim, eu sou pessimista né?! e acho que esses posters espalhados por NY explicam muito bem como é a situação e de que o Obama não é jesus e nem vai mudar o mundo sozinho… (mas pode mudar um pouquinho, né?!)

vote com chiclete!

vote com chiclete!

daqui!

h1

Obama de novo!

13 d e abril d e 2008
Mas agora é para mostrar que esse blog também é sério [ui!]

Essa reportagem na Piauí, me causou muito estranhamento…

É louca a história do Obama [a realidade, Maria, é louca!] uma história que vai no caminho oposto ao da super liberdade dos pais e passa a se sentir livre em lógicas ultra tradicionais como a família e a religião. Porque parece ser sempre o caminho que nós fazemos, o de negar uma história já dada e querer fazer uma nova pra e pela gente, mesmo que para isso se comece a trilhar os caminhos do conservadorismo, o que pode parecer muito paradoxal, mas faz muito sentido, pelo menos pra mim.

É muita psicossociologia no coração!

É maluco pensar como uma pessoa pode ser pensada a partir de lógicas do Rawls e ao mesmo tempo ser pensado [sim eu gosto do particípio!] como uma pessoa que se preocupa com individualidade, mas que coloca a disputa política em lugar de mais alta conta. “O universalismo é uma ilusão”

Eu fiquei pensando que esse meu vício de Obama também tem a ver com o fato dele ser exatamente meu oposto: desapaixonado, consistente, calmo, compenetrado. E sinceramente eu me encanto por coisas assim…de verdade. Análises lúcidas como:

“Percebo que as minhas escolhas nunca foram na verdade só minhas, e era assim mesmo que deviam ser, pois afirmar o contrário é perseguir um tipo lamentável de liberdade.”


E ultimamente minha preocupação constante têm sido me
livrar da “inocência […] na sua forma mais destrutiva, da liberdade em sua forma mais enganosa, do universalismo na sua forma mais ingênua.” Gostaria muito de conseguir me pensar criticamente, distante dessas lógicas, mas se todas essas reflexões e questionamentos me encaminharem para a porta do conservadorismo [de novo] eu saio correndo e abraço a ingenuidade da revolução com todas minhas forças! Por que viver sem achar que você pode fazer alguma coisa, que gere qualquer tipo de mudança seria completamente insuportável pra mim.

ai ai…